DESFILE DE 2016

35,10,0,50,1
25,600,60,0,3000,5000,25,800
90,150,1,50,12,30,50,1,70,12,1,50,1,1,1,5000
0,2,1,0,2,46,15,5,2,1,0,20,0,1
Ala Feijão da Vicentina
Ala 15 - Senhoras Africanas
Ala 15 - Senhoras Africanas
Ala Comunidade
Ala 21 - Múmia
Ala 21 - Múmia
Alegoria 3 - As Viagens de Gulliver
Alegoria 3 - As Viagens de Gulliver
Ala Comunidade
Ala 12 - Soldados das Viagens de Gulliver
Ala 12 - Soldados das Viagens de Gulliver
Alegoria 2 - Netuno ou Poseidon, o Deus dos Oceanos
Alegoria 2 - Netuno ou Poseidon, o Deus dos Oceanos
Alegoria 2 - Perigos do Mar
Alegoria 2 - Perigos do Mar
Alegoria 1 - Travessia do Mar Vermelho
Alegoria 1 - Travessia do Mar Vermelho

HISTÓRICO

2011 Baiana Liesa

Baianas em 2011 (Foto: Liesa)

 

Nada mais tradicional em uma escola de samba que sua ala das baianas. Obrigatória desde os primeiros desfiles, o rodopiar dessas velhas senhoras é sempre esperado pelo público na avenida. Os anos passam, o carnaval muda, mas a magia das baianas permanece. As baianas representam uma ligação entre o carnaval moderno e os tempos românticos, unindo a ingenuidade da Praça XI ao profissionalismo da Marquês de Sapucaí. São como um elo que estabelece a continuidade entre essas duas épocas, tão distantes e diferentes, provando que, apesar das transformações, o espetáculo é o mesmo.

NOSSA HISTÓRIA

 

 

LManoel

 Lino Manoel na década de 50

 

Se a Portela, através de Caetano, foi a primeira escola que se preocupou em demonstrar visualmente o enredo, ao longo de sua história os artistas portelenses determinaram os rumos que as escolas de samba tomariam.


Auxiliando Caetano desde os primeiros desfiles, Juca e Candinho completavam a equipe de artistas da azul-e-branco. Juca, com a valiosa experiência adquirida nos ranchos, trouxe importantes ensinamentos para o grupo.

 

HISTÓRICO

 

ACaetano

Antonio Caetano na década de 70

Quando o rancho "Ameno Resedá", fundado em 1908, mudou a concepção ingênua das primeiras associações e exibiu temas complexos, através da representação alegórico-musical, estava não apenas promovendo uma revolução na manifestação criada por Hilário Jovino, como também definindo o caminho que as escolas de samba, que apareceriam décadas depois, iriam percorrer.