DA GUERRA AOS ANOS 60

 

 1959 PortelaDuquesaKent

Apresentação da Portela para a Duquesa de Kent

 

A década de 40 marcou época pelos "sete anos de glória", ou seja, o heptacampeonato que a escola conquistou entre os anos de 1941 e 1947. Os anos de guerra foram complicados para as escolas de samba, muitos não viam sentido em festejar o carnaval diante de tantos problemas que o mundo atravessava. Contudo, os desfiles dos anos de 43, 44 e 45 foram realizados no Estádio de São Januário com temas nacionais idealizados pela União Nacional dos Estudantes e foram todos vencidos pela Portela.

 

A nota triste da década foi a briga entre Paulo da Portela e sua escola do coração, em 1941.

Mesmo afastado, Paulo da Portela demonstrou toda sua hombridade e dignidade ao receber o desenhista Walt Disney na quadra da escola em agosto de 1941. Como Disney foi acompanhado de seu desenhista oficial, muitos acreditam que o famoso papagaio Zé Carioca foi inspirado em algum sambista de Oswaldo Cruz. O sonho de que Paulo da Portela voltasse para a escola sempre esteve presente entre seus antigos amigos, mas, infelizmente, a morte precoce aos 48 anos, em 1949, acabou com todas as esperanças. Paulo, fundador e primeiro presidente da Portela, faleceu em sua humilde casa brigado com sua escola de coração.

Em 1949, problemas políticos dividiram as escolas de samba em duas  organizações, uma contando com a presença de uma nova força, o Império Serrano, e outra com as duas superpotências: Portela e Mangueira.

A década de 50 começa com as escolas ainda divididas e com o título portelense de 1951, ainda nessa situação. O grande confronto entre Portela e Império Serrano estava marcado para 1952, ano da união entre as entidades e da tão esperada reconciliação no mundo do samba, mas algumas escolas conseguiram anular o concurso devido às fortes chuvas que motivaram a ausência da comissão julgadora.

O esperado confronto ficou para 1953, e a Portela se apresentou brilhantemente com um belo samba do estreante Antônio Candeia Filho e seu parceiro Altair Prego. O resultado não poderia ser outro: Portela campeã! Mais do que isso, nota 10 em todos os quesitos, um desfile perfeito.

A década termina com o tetracampeonato de 57, 58, 59 e 60. Natal há muito se firmara como grande líder e patrono da escola. Graças a ele, a Portela se apresentou em 1959  no Palácio do Itamaraty para a Duquesa de Kent (foto). A família real de Luxemburgo também foi recebida pela Portela em sua antiga quadra. Definitivamente, a Portela já era uma escola internacional.

Nos anos 60, a Portela venceu os carnavais de 1960, já mencionado, 62, 64 e 66. Destaque especial para este último ano, cujo enredo "Memórias de um Sargento de Milícias" foi contado por um belo samba de Paulinho da Viola, o único de autoria deste grande compositor defendido pela Portela na avenida.

Nesta década a Portela passa a realizar seus ensaios também no ginásio do Botafogo, fato que contribuiu para o aumento de sua imensa popularidade. O carnaval, durante a década de 60, iniciava um grande e inevitável movimento de transformação que resultaria, anos mais tarde, no gigantesco espetáculo do sambódromo.