EXALTADOR DA PORTELA

 

JoaoNogueira

 

 

"João de todos os sambas", "espelho" da "boca do povo".

"Vida boêmia" que fez "o grito do subúrbio com o som da Lapa" ser ouvido "pelas terras do pau-brasil", como numa "parceria" com "Wilson, Geraldo e Noel".

"O homem dos quarenta" cantou "Chico Buarque". "Vem que tem" "Clube do Samba", "bem transado", "além do espelho" de "João Nogueira".

"De amor é bom", "João", então "lá vou eu". 

 

A boemia do Méier

João Baptista Nogueira Júnior nasceu em 12 de novembro de 1941, no subúrbio do Méier, na cidade do Rio de Janeiro. Seus primeiros acordes no violão puderam ser ouvidos aos 10 anos, por incentivo do pai, o músico João Baptista Nogueira, e aos 15 começaram a surgir as primeiras composições, em parceria com a irmã compositora Gisa Nogueira.

Ainda no Méier, o jovem João conheceu o carnaval. Aos 16 anos passou a freqüentar o bloco Labareda, que saía às ruas nos dias de folia momesca. Alguns anos mais tarde, João se tornaria diretor da agremiação carnavalesca.

 

Compondo nos bares da vida

João Nogueira viveu o mundo mágico das ruas e bares do subúrbio carioca. Tirou do universo boêmio a riqueza de suas canções, construiu sua obra como espelho das pequenas alegrias e dores cotidianas, retratou como poucos a vida do sambista. João definia seu samba como "samba-de-calçada", feito com a energia única das ruas, junto ao povo.

Aos 38 anos, deixou o Méier para viver na Zona Sul, mas logo optou por um lugar mais tranqüilo, o Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste da cidade.

 

"Corrente de aço"

O sucesso definitivo, contudo, viria apenas no ano seguinte. Graças à ajuda do também amigo de bloco Paulo Valdez, sua composição "Corrente de Aço" foi gravada por Elizeth Cardoso. Em 1970, o radialista Adelzon Alves se torna seu produtor e João lança o disco "Quem samba fica", com destaque para as faixas "Mulher valente é minha mãe" e "O homem de um braço". Sua carreira já tinha decolado.

 

A discografia

A partir daí, sua voz passou a ser ouvida em cada canto do país, difundindo a inconfundível boemia carioca pelo Brasil. Seus LPs, um após outro, transformaram-se em sinônimos de sucesso:

1972 - O grito do subúrbio com som da Lapa
1974 - E lá vou eu
1975 - Vem que tem
1977 - Espelho
1978 - Vida boêmia
1979 - Clube do Samba
1980 - Boca do povo
1981 - Wilson, Geraldo e Noel
1982 - O homem dos quarenta
1983 - Bem transado
1984 - Pelas terras do Pau-Brasil
1985 - De amor é bom
1986 - João Nogueira
1988 - João
1992 - Além do espelho
1994 – Parceria
1995 - Letra e música "Chico Buarque"
1998 - João de todos os sambas

O último registro de João Nogueira data de 1999 e se chama "Esquina Carioca - Uma Noite com a Raiz do Samba", um show gravado ao vivo no Tom Brasil, em São Paulo. João dividiu o palco com outros importantes sambistas cariocas, como Beth Carvalho, Dona Ivone Lara, Walter Alfaiate, Moacyr Luz e Luiz Carlos da Vila.

 

O João da Portela

Ainda em 1971, João venceria um concurso e se tornaria integrante da ala de compositores da Portela. A escola nunca desfilou com um samba de sua autoria, mas seu amor pela agremiação ficou gravado nas letras de vários sambas de exaltação compostos em parceria com o amigo Paulo Cesar Pinheiro.

Em 1985, quando algumas alas da Portela resolveram fundar o G.R.E.S. Tradição, João acompanhou o grupo e ficou responsável pelas primeiras composições da escola.

Anos mais tarde, João voltaria para a Portela. Não participava ativamente do cotidiano da escola, o sucesso profissional significou uma série de compromissos e obrigações, mas era figura certa nos desfiles, seja pedindo passagem na frente da Águia ou elegantemente vestido junto à Velha Guarda.

 

Clube do samba

Da passagem pelo Labareda, João preservou não apenas as amizades, mas também a paixão pelo carnaval. Em 1980, João funda o "Clube do Samba", com a proposta de ser um símbolo de resistência na luta pela revitalização do carnaval de rua.

Na história do "Clube" estão marcados desfiles que devolveram para a cidade um pouco da irreverência que sempre marcou a cultura carioca. "Meu mundo caiu - A história do Palace II", por exemplo, fazia uma crítica a Sérgio Naya da maneira que só a alegria carioca sabe fazer, transformando dor e revolta em samba, para ser cantado com sorriso no rosto.

Em seus últimos anos, brigava para que o "Clube" tivesse uma sede própria. Em 1998, internado após seu primeiro derrame, deixou uma carta em que diza: "Não morrerei antes de ver este sonho realizado".

 

João Rubro-Negro

O futebol era um das grandes paixões de João Nogueira. Apaixonado pelo Flamengo, o sangue que fluía em suas veias era rubro-negro. Emocionado com as grandes glórias do time da Gávea, João não apenas torcia, também cantava sua paixão pelo clube. Em sua homenagem, regravou o "Samba rubro-negro", de autoria de Wilson Batista.

 

A boemia fica mais triste

No dia 5 de junho de 2000, João falecia em sua casa, no Recreio dos Bandeirantes, vítima de um enfarte fulminante. Em companhia de seu filho Diogo, João assistia a TV num domingo à tarde. Estava se recuperando de dois derrames cerebrais que tinha sofrido.

João se preparava para fazer um grande show com o conjunto de sua obra, mas infelizmente quis o destino que o sambista nos deixasse pouco antes da estréia. O projeto, contudo, foi levado adiante, e o show se transformou num grande tributo a João, que contou com a participação de Zeca Pagodinho, Beth Carvalho, Emílio Santiago e outros amigos consagrados.

 

A mesa vazia

O garçom passa apressado. Equilibra em sua bandeja o chope, a cerveja e o petisco, vai e volta num movimento frenético, uma habilidade circense adquirida na escola do dia-a-dia.

O bar é seu ambiente. Testemunha da boemia, ouve o violão, o cavaquinho, o tantã e o reco-reco. Presencia a criação de pequenas rimas que são rapidamente anotadas em guardanapos ou papéis de pão. Com a autoridade de sua experiência, sabe que aquelas palavras podem ser esquecidas pelo próprio autor ou se tornar o próximo sucesso nacional.

Os panos das mesas estão cada vez mais sujos. Sabe que terá que limpá-los mais tarde, um de cada vez. A hora avançada não alivia seu trabalho; pelo contrário, o garçom sabe que, quanto mais tarde, mais trabalho terá, pois é nas madrugadas que a criatividade dos artistas populares aflora. Ser garçom é, de certa forma, também ser um pouco antropólogo. É conhecer os meandros do universo cultural da boemia.

Hoje o garçom passa de um lado para outro. Como sempre, o local parece estar animado, festivo, com muita alegria e descontração. Entretanto, no canto do bar, uma mesa vazia denuncia que está faltando alguma coisa, está faltando alguém. Os sons boêmios já não ecoam como antes, as vozes do subúrbio estão mais roucas, as calçadas já não transpiram a mesma felicidade.

Para nós, tudo pode parecer igual, podemos não perceber diferença alguma, mas a sensibilidade de um garçom, especialista na vida boêmia, sabe que hoje está faltando alguma coisa. Falta João Nogueira.

Vai então, João, com toda sua dignidade, espalhar pelos bares e calçadas da eternidade nossa voz embriagada pelas pequenas alegrias da vida, empoeirada pelas dificuldades de nossa existência. Que os garçons celestiais sirvam sua mesa com a paz eterna, afinal, se a mesa aqui está vazia, é porque em algum lugar, além do horizonte visível ao nossos olhos mortais, uma outra mesa está alegre e festiva.

 

 

Bibliografia:

Site da MPB FM: www.mpbfm.ig.com.br
Site Samba e Choro: www.samba-choro.com.br
Site Memorial Online: www.memorialonline.com.br

 

 

VÍdeo: João Nogueira (Programa Ensaio, TVE)