"UM RIO DE MAR A MAR: DO VALONGO À GLÓRIA DE SÃO SEBASTIÃO"

 

2014 Logo

Logo do Enredo

 

A história do carnaval de 2014 da Portela começou logo após o término do carnaval de 2013. Depois de enfrentar, mais uma vez, dificuldades financeiras e de organização em seu desfile, surgiu uma esperança de mudança.

Em fevereiro de 2013, Serginho Procópio, Marcos Falcon e Monarco lançavam a chapa de oposição ao então Presidente Nilo Figueiredo. O nome escolhido para a chapa foi Portela Verdade. Na noite de lançamento, Monarco, presidente de honra da chapa, em seu discurso diante de uma plateia ávida por mudanças na escola de Madureira, resumiu o sentimento das mais de 800 pessoas presentes. "A situação precisa mudar. Temos esse direito e não é crime nenhum", disse.

Para o primeiro evento oficial da chapa, a noite impressionou pela grande adesão de segmentos da azul e branco, integrantes de famílias importantes da Portela, sambistas de outras agremiações e personalidades. Tia Surica, a lendária ex-porta-bandeira Dodô e o compositor David Corrêa foram alguns dos que marcaram presença. Eliane Faria (filha de Paulinho da Viola), Angela Nogueira (viúva de João Nogueira), Nezio Nascimento e Nozinho (filhos de Natal da Portela) e descendentes do fundador Paulo da Portela também fizeram questão de comparecer.


Tentando se reeleger para mais um mandato na escola, o então presidente da Portela, Nilo Figueiredo, também lançava sua chapa poucos dias depois, com o nome "Portela Nossa Paixão". Como vice em sua chapa estava seu filho, Nilo Figueiredo Júnior.


Durante os meses que se seguiram, os dois grupos que participavam da disputa promoveram eventos para divulgar suas ações. Aos poucos a chapa de oposição ia conseguindo apoios importantes entre os grandes nomes da escola, como Paulinho da Viola, Teresa Cristina e Lan.


A eleição foi marcada para o dia 19 de maio. A votação começou às 8h e terminou depois das 21h30. Na noite daquele domingo, após nove anos de Nilo Figueiredo na presidência da Portela, Serginho Procópio se tornava o novo presidente da maior campeã do carnaval carioca para os próximos três anos. Serginho ganhou por três votos de diferença. Foram 154 votos para ele, 151 para Nilo Figueiredo e 8 votos nulos. Marcos Falcon assumia a vice-presidência e Monarco era o presidente de honra da Portela.


Um dia após assumir a presidência da escola, a nova direção da Portela começou o trabalho para sanar o principal problema da azul e branca: o mar de dívidas. Um levantamento preliminar apontou que elas chegariam a R$ 7 milhões. Na soma, estavam dívidas com fornecedores — apenas um deles cobrava R$ 240 mil da escola —, mais de R$ 450 mil pendentes na Cedae, R$ 25 mil na Light, cerca de R$ 60 mil em imóveis alugados no nome da Portela e mais R$ 16 mil em contas destes imóveis. Além disso, ainda existiam dívidas trabalhistas dos carnavais de 2012 e 2013. Com o último carnavalesco, Paulo Menezes, o valor giraria em torno de R$ 70 mil.


Na feijoada de comemoração da vitória, realizada no Portelão no início de junho, Serginho Procópio anunciou os nomes da Portela para o carnaval de 2014: o carnavalesco escolhido foi Alexandre Louzada, o intérprete, Wantuir, e Luiz Carlos Bruno, carnavalesco da Rocinha, como diretor de carnaval. Para casal de mestre-sala e porta-bandeira, Daniele Nascimento e Diogo Fran. Mestre Nilo Sérgio foi mantido no comando da bateria da Portela. A festa reuniu mais de 7 mil pessoas na quadra.


A escola aproveitou o evento para anunciar oficialmente o enredo "Um Rio de Mar a Mar: do Valongo à Glória de São Sebastião", que mostraria como o carioca se adaptou ao longo dos anos às transformações na região entre a Zona Portuária e o bairro da Glória. De autoria do professor Rogério Rodrigues, membro da equipe do site PORTELAWEB, foi desenvolvido pelo carnavalesco Alexandre Louzada.


Para vencer as dificuldades financeiras deixadas pela diretoria anterior, ao longo de 2013, a Portela reuniu seus torcedores mais ilustres para arrecadar dinheiro para a escola. Um dos grandes acontecimentos foi o show A NOITE VESTE AZUL, onde Paulinho da Viola e Marisa Monte se apresentaram na quadra da escola em Madureira junto com a Velha Guarda. Toda a arrecadação conseguida foi destinada à elaboração do desfile da escola.


Aos poucos a nova diretoria foi conseguindo tirar da escola a marca de atraso deixada nos anos anteriores. A entrega de fantasias às alas de comunidade ocorria sempre muito próximo do desfile. Para alegria dos componentes, desta vez, faltando uma semana para o carnaval, todas as fantasias já haviam sido entregues a todas as alas.


A Portela foi a quinta escola a entrar na avenida na madrugada da terça-feira de carnaval, dia 3 de março. Com 3.800 componentes e impressionantes 41 alas, sete alegorias e três tripés, a "nova" Portela impressionou já na comissão de frente, que trazia um tripé em forma de águia. O símbolo também foi representado no abre-alas com suntuosidade através de uma águia gigantesca, a melhor dos últimos anos. A águia também voou na avenida. Um drone no formato do ícone portelense abriu caminho para a escola e roubou a cena. A ala das baianas foi uma "tsunami de águias", o símbolo maior da escola. E na comissão de frente, personagens que foram importantes na fundação da Cidade Maravilhosa.


A segunda alegoria representou o Cais do Valongo, por onde passou um milhão de escravos africanos durante o século XIV, e agora passa por diversas reformas na Zona Portuária.


No terceiro carro, que representou o Palácio Monroe, estavam: Mariene de Castro, o cartunista Lan, Tia Surica, Wilson Moreira, Teresa Cristina e outros integrantes da Velha Guarda Show da Portela.


O carro do Teatro Municipal fez com que a escola deixasse o azul de lado e trouxesse o cor-de-rosa para a avenida.


Um dos carros mais interessantes fez uma homenagem à Cinelândia e colocou uma sessão de cinema sobre a alegoria, com direito a poltronas e telão.


Para representar as manifestações que já aconteceram no local, outro carro, o Despertar do Gigante, era articulado por 20 integrantes e trazia um mecanismo especial para não bater na torre de televisão, que deu dor de cabeça a outras escolas.


O último carro da escola fez uma homenagem a São Sebastião, padroeiro da escola e da cidade.


Entre os famosos no desfile, portelenses tradicionais como Paulinho da Viola e Monarco se juntaram à atriz Glória Pires e pisaram na avenida para tentar o 22º título da tradicionalíssima Portela.
A bateria do mestre Nilo Sérgio repetiu o habitual show e levantou as arquibancadas. Feliz com o retorno da Águia aos seus melhores dias, o componente da Portela também fez sua parte e cantou o samba-enredo com alegria e vibração.


Com uma apresentação praticamente sem falhas, a escola saiu da avenida ovacionada e com a certeza de que estaria na disputa pelas primeiras posições. A mídia especializada também não poupou elogios ao desfile da escola e a expectativa de um bom resultado e da quebra do jejum de títulos cresceu entre os portelenses.


Na quarta-feira de cinzas, os torcedores puderam acompanhar a apuração dentro da quadra com um telão que foi montado. A cada nota dez, a bateria rufava os tambores, animando e acelerando o coração de quem estava presente. O clima foi de festa, apesar da terceira colocação. A azul-e-branco de Madureira terminou a apuração deste ano com 299 pontos, atrás apenas do Salgueiro, com 299,3, e da campeã Unidos da Tijuca, que ficou com 299,4. No ano anterior, a Portela terminou em sétimo lugar, com 296,6 pontos.


A escola foi escolhida como aquela que realizou o melhor desfile do Carnaval pelo júri do site SRZD. A Ala das Damas, que veio com a fantasia Passeio no Boulevard, tendo Dodô à frente, levou o Estandarte de Ouro de melhor ala.